Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Engenheiro Alfredo Tranjan Filho foi condecorado com a medalha Carneiro Felippe

 

foto medaha

                Alfredo Tranjan Filho (à esquerda) ao lado do presidente da CNEN, Paulo Robero Pertusi   Foto: Douglas Troufa

 

 

O engenheiro Alfredo Tranjan Filho recebeu a medalha Carneiro Felippe na tarde desta quarta-feira (22/11) em solenidade realizada no salão nobre da sede da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), no Rio de Janeiro. A homenagem foi um reconhecimento pela sua relevante contribuição nas ações de resposta ao acidente com césio-137, ocorrido há 30 anos.

No último dia 10 de outubro, a solenidade do aniversário de 61 anos da CNEN foi alusiva aos 30 anos do acidente com césio-137, ocorrido em 1987 na cidade de Goiânia. O evento foi uma homenagem às vítimas do acidente e aos profissionais que colaboraram na mitigação das consequências deste acontecimento. Na ocasião, foram entregues a Medalha Carneiro Felippe e o Prêmio Octacílio Cunha, que a CNEN concede todos os anos, respectivamente, a pessoas e entidades que se destacaram em suas atuações para o desenvolvimento das aplicações pacíficas da energia nuclear no Brasil.

Neste ano, em especial, as instituições e pessoas homenageadas foram escolhidas em razão da valiosa colaboração para mitigação das consequências do acidente e pela ajuda às vítimas. Os homenageados foram escolhidos em reunião da Comissão Deliberativa da CNEN. Foram selecionados para receber o Prêmio Octacílio Cunha:  Centro de Assistência aos Radioacidentados (C.A.R.A.) da cidade de Goiânia, Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, Força Aérea Brasileira e Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás (CBMGO). Para receber a Medalha Carneiro Felippe foram selecionados: Rachel Azeredo (jornalista), Alexandre Rodrigues de Oliveira (médico), Alfredo Tranjan Filho (engenheiro), Edson Tavares da Silva (coronel bombeiro) e Walter Mendes Ferreira (físico). 

Em 1987, Alfredo Tranjan Filho trabalhava em Furnas e foi cedido à CNEN para atuar na recuperação da cidade de Goiânia após o acidente com césio-137. Entre outras atividades, foi responsável pelo projeto e construção do Depósito Rejeitos Radioativos, localizado em Abadia de Goiás, na região metropolitana de Goiânia. Ele é autor também dos projetos de duas unidades da CNEN: o Centro Regional de Ciências Nucleares do Centro-Oeste (CRCN/CO) e o Centro Regional de Ciências Nucleares do Nordeste (CRCN/NE). Tranjan exerceu diversas funções na CNEN, onde chegou ao cargo de diretor de Pesquisa e Desenvolvimento.

Outras atuações também se destacam em sua carreira. Nos períodos de 1992 a 1994 e 2002 a 2004, foi presidente da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN). Também presidiu a Indústrias Nucleares do Brasil (INB), entre 2007 e 2013. Hoje, trabalha como consultor em diversas áreas do setor nuclear e é uma das referências nacionais sobre informações relativas ao acidente com césio-137.

 Devido a compromissos previamente assumidos, Tranjan não conseguiu comparecer ao aniversário da CNEN, em 10 de outubro, quando a medalha foi entregue aos outros quatro homenageados. Em razão, disso foi marcada uma data especial para condecorá-lo. 

 

 

 

Alfredo Tranjan e Direção da CNEN

Alfredo Tranjan Filho e convidados presentes na solenidade (Foto: Douglas Troufa)

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página