Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > CNEN dá continuidade ao projeto do RMB
Início do conteúdo da página

CNEN dá continuidade ao projeto do RMB

  • Publicado: Sexta, 22 de Dezembro de 2017, 13h53
  • Última atualização em Quinta, 04 de Janeiro de 2018, 14h54

Brasil Argentina RMB

 

Os presidentes Michel Temer e Mauricio Macri assinaram nesta quinta-feira (21/12), em Brasília, o contrato que dará continuidade à execução do projeto do reator Multipropósito Brasileiro (RMB). O evento da assinatura foi realizado na Sala dos Tratados do Palácio Itamaraty às margens da 51ª Cúpula de Chefe de Estado do Mercosul e Estados Associados.

Idealizado no âmbito da Comissão Binacional de Energia Nuclear (COBEN), o RMB é um reator de pesquisa brasileiro, que contará com desenho à semelhança do projeto argentino RA-10. Responsável pelo projeto a Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), autarquia vinculada ao Ministério da Ciência Tecnologia Inovação e Comunicações (MCTIC), trabalha em parceria com a AMAZUL, coexecutora, e com a Fundação Patria, parte brasileira responsável pela contratação da empresa argentina INVAP, que elaborará o projeto detalhado de engenharia do reator e sistemas associados. Esse contrato é financiado com recursos de convênio FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos).

O RMB trará benefícios sociais importantes para a sociedade brasileira, pois garantirá a produção autônoma de radioisótopos, principalmente o Molibdênio-99, permitindo a ampliação do uso da medicina nuclear no Brasil. Hoje, o Brasil depende integralmente da importação do insumo para a produção de radiofármacos, utilizados, entre outros, no combate ao câncer. O Reator auxiliará ainda projetos na área científica, por meio da utilização de feixes de nêutron para a pesquisa e testes de materiais nucleares.

O desenvolvimento do RMB sela parceria estratégica entre Brasil e Argentina na área nuclear. Em 2016, os dois países comemoraram 25 anos da Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Material Nuclear (ABACC). Deverá ainda propiciar plataforma de cooperação para os demais países do Mercosul.

registrado em:
Fim do conteúdo da página