Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Colaboração do IEN/CNEN com a Fiocruz ajuda a rastrear pandemia da COVID-19
Início do conteúdo da página

Colaboração do IEN/CNEN com a Fiocruz ajuda a rastrear pandemia da COVID-19

  • Publicado: Segunda, 27 de Abril de 2020, 15h51
  • Última atualização em Segunda, 27 de Abril de 2020, 15h51

 

Servidores da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), pertencentes ao quadro do Instituto de Engenharia Nuclear (IEN), em colaboração com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), estão desenvolvendo uma ferramenta computacional que facilite o trabalho dos profissionais que atuam nos Centros Integrados de Vigilância em Saúde (CIEVS) na identificação de surtos epidêmicos, analisando informações vindas de redes sociais. A proposta é fornecer um sistema computacional de captura de mensagens nessas redes, no qual os profissionais possam filtrar e automatizar as buscas, e perceber uma epidemia se iniciando em algum local do país ou do mundo.

O projeto é coordenado e financiado pela Fiocruz, que irá fornecer gratuitamente a ferramenta desenvolvida aos CIEVS. Foi aprovado antes da presença do novo coronavírus no Brasil. A partir da pandemia, decidiu-se que o estudo de caso seria aplicado principalmente em mensagens do Twitter sobre COVID-19, de modo a identificar como a evolução da doença está se dando no país. Os servidores do IEN/CNEN Paulo Victor de Carvalho e Antônio Carlos Mól participam do desenvolvimento do sistema.

O CIEVS Nacional, criado em 2005 pelo Ministério da Saúde, é uma rede de centros operacionais destinada a fortalecer a capacidade do Sistema Nacional de Vigilância em Saúde em identificar precocemente emergências em saúde pública e organizar respostas rápidas e adequadas. Compõe uma rede mundial de alerta e resposta, que inclui o CIEVS da sede da Organização Mundial de Saúde, em Genebra (Suíça) e unidades em vários países.

Selecionado no edital Inova II da Fiocruz em setembro de 2019 e aprovado pelo Conselho de Ética da instituição em janeiro de 2020, o projeto tem financiamento de R$ 250 mil e prazo de dois anos.

 

Reportagem: Valéria Campelo (SETCOS/ IEN)

registrado em:
Fim do conteúdo da página